O vírus HPV

O vírus HPV
ATUALIZADO em 04/04/2013

O vírus HPV é bem esperto. Ele fica inativo assim que você começa o tratamento contra o vírus HPV, que pode ser através de pomadas duas vezes ao dia por dois anos (ou mais), ou a partir de cirurgias rotineiras de cauterização.

Geralmente as pessoas começam a se tratar fazendo uso de pomadas próprias para a patologia do HPV. Todavia, essas mesmas pessoas sentem uma melhora imediata e, pensando estarem curadas, as portadoras do HPV (que é uma doença sexualmente transmissível, ou seja, fora transmitida através de contatos íntimos) interrompe o tratamento pensando estar curada. Ledo engano.

Após a paralização do tratamento com pomadas para o HPV o vírus volta ainda mais forte, e ao invés de o paciente ter que se tratar por “apenas” dois anos, ele deverá se tratar por mais alguns meses ou até mais alguns anos. Os vírus das doenças sexualmente transmissíveis são bem espertos, ou seja, o correto é não parar o tratamento de forma alguma, pois geralmente o HPV não produz qualquer tipo de sintoma, ou seja, você se sente normal, disposto, sem nenhum sinal de que está doente.

Há diversos meios de se prevenir o HPV, e a forma mais comum e que deve ser indispensável em todo e qualquer contato íntimo é o uso do preservativo. A camisinha nos protege não só contra o HPV, mas também contra o HIV, que é uma doença grave e que não tem cura (além de poder levar à morte).

Atualmente existem duas vacinas para a prevenção do HPV, é a vacina HPV bivalente que custa cerca de R$ 250 reais e que não tem no SUS e a vacina HPV tetravalente que custa cerca de R$ 300 reais e que protege a mulher contra cerca de quatro tipos de vírus HPV, as vacinas são exclusivas para mulheres acima de nove anos de idade.